29 de janeiro de 2013

Usando o hífen (ou não) corretamente





A tragédia que aconteceu em Santa Maria, no Rio Grande do Sul, foi algo que mexeu comigo, pois sei o que é perder alguém muito próximo. Por isso, tenho empatia aos muitos pais que perderam seus filhos tão jovens e cheio de sonhos e projetos.

No entanto, ao me deparar com uma matéria sobre o assunto na internet, vejo que alguns jornalistas ainda têm dificuldade em utilizar (ou não) o hífen em palavras com prefixos ou pseudoprefixos. Acredito que a  pressa na hora em que está escrevendo a matéria faz com que "se esquecem" de consultar um bom manual de revisão ou de ortografia.

Vejam o caso que vi hoje:

O hífen depois do prefixo "anti-", que significa "oposição", "ação contrária", foi colocado de maneira errada. De acordo com a Nova Ortografia, só se emprega o hífen "Nas formações em que o prefixo ou pseudoprefixo termina na mesma vogal com que se inicia o segundo elemento". Por exemplo, se for anti + inflamatório, escrevemos anti-inflamatório; se for micro + ondas, micro-ondas; e assim por diante.

No caso do título da reportagem, o correto seria "antifogo", sem hífen.

4 comentários:

Lis Augusta disse...

Olá! Amei o seu blog, as dicas e tudo mais. Vou colocar nos meus favoritos, bjo! =)

Marcia Moreira disse...

Obrigada por curtir meu espaço. Fique à vontade para ler as postagens desse blogue.

Lúcia disse...

Mesmo sem ainda estar em "vigor", o novo acordo ortográfico, precisa-se(pode?) já ir-se(pode?) acostumando!
Hei de voltar, para ver a correção.
Um beijo!

Marcia Moreira disse...

Olá, Lúcia.
Obrigada pela visita.
A oração que você sugeriu não está errada: "precisa-se já ir-se acostumando" ou "precisa-se já se ir acostumando" ou "precisa-se já ir acostumando-se". Escolha a melhor na sua opinião.

Um grande abraço.